Emicida leva seus 10 anos de Triunfo para o palco do Bananada 2018

0

Segunda noite de Bananada 2018 teve nada mais nada menos que Gilberto Gil e o projeto Refavela, com uma galera de jovens músicos, entre filhos e amigos do cantor. Mas quem destruiu mesmo no festival foi Emicida. Na sexta (dia 12 de maio) o rapper trouxe para o palco grandes sucessos, apresentação já faz parte da turnê de 10 anos de Triunfo da carreira dele.

Emicida já chegou pesado com “Boa Esperança”, uma das músicas mais elogiadas em 2015. Na canção, o rapper consegue dar a sua visão para um problema que continua sendo grave: o preconceito e discriminação, tanto social quanto racial. Independente da época ou visão, trata-se de algo que continua a acontecer, diariamente, em nossa sociedade e relembrar esta canção logo no primeiro momento do show fez o público ir ao delírio.

O rapper também não deixou pra trás músicas como “Levanta e Anda” e “Pantera Negra”, música tema do filme da Marvel. Também não faltaram as canções marcantes que tocaram pra caralho nas rádios de todo país como “Passarinho” (feat. com Vanessa da Mata) e “Hoje Cedo” (com Pitty). Músicas que agradaram a maior parte do público do Bananada: as mulheres!

Drik Barbosa no show do Emicida durante o Bananada 2018. (Foto: Marcos Aleotti)

Drik Barbosa e Coruja BC1 deixaram a apresentação ainda mais especial em canções junto com o rapper. Drik soltou a voz em refrões e apoios vocais, além de canções em parceria. Coruja BC1 também trouxe novidades. Nos bastidores do evento, Coruja disse ao RND que tem sido um momento muito especial da sua carreira estar nessa caminhada ao lado de Emicida.

Os dois se conheceram quando um amigo em comum mostrou uma das canções de Coruja BC1 ao Emicida. “Pra quem se identificar”, se eu não me engano foi essa a canção. Não tardou para que os 2 se trombassem e trocassem várias ideias. Coruja conta que houve uma identificação com a história de vida parecida, vindos da periferia, criados sem pai e com vontade de vencer através da música. Em 2017, Coruja fechou contrato com o Laboratório Fantasma e de lá pra cá vem preparando várias coisas boas para a cena do rap nacional.

Coruja BC1 no show do Emicida no Bananada 2018 (Foto: Marcos Aleotti)

Emicida sempre deixa uma mensagem sobre a atual cena política do país em seus shows. Sua opinião tem sido a voz de muitos brasileiros revoltados com o que vem acontecendo. Mas em Goiânia, o cantor não se delongou sobre o assunto. Soltou apenas um “Lula Livre” entre o intervalo de músicas pra não perder a viagem.

“Ê Goiâniaaaaa, não deu pra segurar a barra, então eu volteeeiiii…”. Neste clássico sertanejo dos anos 90 que o rapper se despediu dos palcos do Bananada, deixando fãs ainda mais fãs.

Assista os primeiros momentos de Emicida no festival Bananada 2018:

Fotos: Marcos Aleotti

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.