O rap em lançamentos, histórias, notícias, downloads

Cinco Rap’s que atacam a TV

0

A televisão é um veículo de comunicação poderoso e muito popular. Mesmo com a internet, ainda é uma das ferramentas mais usadas para informação, mas funciona também como uma ferramenta de alienação.

Houve um tempo em que a coisa mais rara de acontecer era você ver um MC em um programa de televisão. Por causa do discurso que a maioria dos rappers pregavam, não tinha muita coerência ir em programa de TV, se apresentar com playback, onde tinha um balé de mulheres semi nuas e uma plateia que nem sabia o que era Rap.

Chegava a ser contraditório falar: “Eu não vou na TV” e gravar um clipe. Era demagogia: “Não colo em canal aberto”, mas ir na MTV dar entrevista, se apresentar no VMB. Mas o que fez a rapaziada mudar de ideia e aceitar os convites de ir na Xuxa, no Faustão e até mesmo no Altas Horas? Foi a oportunidade de mostrar o trabalho para mais pessoas e ganhar notoriedade? Ou poder ter um papo mais reto com o favelado, passar mensagem, falar diretamente com a pessoa que não tem condições de pagar tv a cabo para se informar?

Seja o que for, só sabemos que existem muitas músicas que atacam a TV. Vamos relembrar algumas agora. Começando com “Não Acredite se Quiser” ,de Kamau, do álbum Non Ducor Duco. Nesse som, Kamau fala do sensacionalismo dos programas policiais, das informações distorcidas dos telejornais e exploração da fé alheia da programação religiosa.

“Eu não contesto a fé, abraça quem quiser, só não acho certo quem quer tirar proveito, posso não ter toda resposta que o povo quer, mas o que querem me vender, eu não aceito”.

Face da Morte convocou GOG para pesadíssima “Televisão”, onde eles atacam todos os programas e celebridades da TV, dando nome a todos os bois. Algumas rimas denunciam o apoio de alguns apresentadores a políticos corruptos.

“Conheço um cara seu sobrenome é massa, foi eleito deputado e não lutou pelas massas. Votou a favor do Collor traidor da nação! Agora na televisão quer dar uma de santinho. Não vou dizer seu nome ele é patrão do Xaropinho”.

Outra pancada no tímpano é “A Imagem“, de Thaíde & DJ Hum, que tem a colaboração de Maionezi, do SP Funk, na autoria da letra. Thaíde, já apresentou o YO!MTV Raps, fazia parte do elenco do programa jornalistico A Liga, e participou do reality show da Record, Power Couple Brasil. Nesse som, ele contesta o racismo camuflado na TV.

“Na TV parece que só o branco é que escova os dentes, Compra carro, é professor, tem profissão…O negro só aparece como empregado, vendendo bebida, Ou pagando prestação”.

Em 2013, MC Marechal foi até o BBB, a convite de seu parceiro Marquinho OSócio, e ao ritmo de “Sossego“, de Tim Maia, cantou o primeiro verso da sua música “Vamos Voltar a Realidade“. Punchline raíz, soco na cara da Globo dentro da Globo. Essa música não é só um ataque a TV, é um som reflexivo.

“TV testa fidelidade, investe em falsa liberdade, te congela e fecha a imagem. Traz mensagem distorcida das festas e futilidade, mas jamais vão expor quem chora, atrás dos restos de maquiagem, neguinho, Despertador, Big-Brother, 9,8,4 ! Só tranca, seu quarto, seu tempo sentado, seu trago”

(…)

“Eles querem nos forçar a amar o que nos não podemos ter. E fazer tu se apaixonar pelo o que não é você. Até o ponto de acreditar que portar um Nike é vencer? Chega o momento em que tu encara o espelho e não consegue mais se ver”.

MV Bill talvez seja o rapper que tem a relação mais controversa com a televisão. Bill já rimou coisas do tipo: “A televisão esquece da pobreza / Impondo a playboyzada como padrão de beleza“, “Complexado, escravo da televisão / Novela das 6, novela das 7, novela das 8, Malhação“, “Mas tem que ter atitude / Deixar de ver novela que faz mal para a saúde”. E calou o Faustão – que tentou cortar sua apresentação – em seu programa com as rimas: “Pra quê? Por quê? Só tem paquita loira / Aqui não tem preta como apresentadora / Novela de escravo, a emissora gosta / Mostra os pretos
chibatados pelas costas“. MV Bill já atuou na Malhação em 2010 e competiu na Dança dos Famosos. A música “Não Acredito” de 2006, faixa do álbum O Bagulho é Doido, ataca a TV e seu imperialismo.

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.