O rap em lançamentos, histórias, notícias, downloads

RND Recomenda: Conheça o rapper Blackout, uma das promessas do Trap Nacional

Um jovem negro, sem 157 que não tem emprego e quer viver de rap…” Esse trecho da musica “T.O.P.O.” resume bem pro que David William Gomes, o rapper Blackout, veio a jogo. Com letras que retratam resistência e ascensão de um Jovem Negro no rap, Blackout vem ganhando espaço na cena do Trap nacional. Diretamente da Freguesia do Ó (São Paulo), o rapper motivou-se a entrar no mundo das rimas por influência de seu falecido pai, mestre de cerimônia do Grupo Uganda Rap, de Casa Verde.

Blackout é integrante da Imob Gang, um grupo que vem pondo Piqueri, Freguesia e Pirituba no mapa do Trap Nacional. Composto pelos beatmakers Sinned e Nansy e pelos rappers Imob Swit, Imob Dazo, Imob Weezy e Imob Zind o grupo já tem posto bons projetos nas ruas e conquistado fãs.

Em setembro de 2016 sua primeira mixtape, “Não Vou Deixar Pra Amanhã“, foi lançada, no dia do nascimento de seu filho. O projeto trouxe produção de Sinned Beats. Em janeiro de 2017, seu segundo projeto veio ao mundo, o Ep “Black Daddy“, pelo selo Procd Brasil, que contou contou com produções de Nansy Silvyz e Sinned. O EP trouxe também participações de Raffa Moreira, Mc Igu, Klyn, Imob Zind, Wagnovox, Big Evlz e Tayna Aline. O trabalho Audio Visual ficou por conta da Censa Filmes, que fez um belo trabalho em 4P, primeiro single de “Black Daddy”.

A mesma produtora fez os clipes de “T.O.P.O” e “Toca Black e Trança” sons de Raffa Moreira, que contam com Blackout largando rhymes, projetos esses que ajudaram no crescimento do rapper na cena.

Blackout gravando o clipe de “3:50”, single do Ep Black Daddy

Já anunciado, “Black Sabbath” será o novo trabalho de Blackout, esse por sua vez contara com participações de Nunig, Beni, Dalua, entre outros. Blackout, que veio pra marcar a cena, com sua mensagem direta de resistência e sons de alta qualidade, promete atrair olhares pra sua região e mostrar que o Trap tem muitas ideias para serem absorvidas.

Comentários estão fechados.